Deve sempre entrar em contacto connosco para retificar preços visíveis após o login, pois em virtude da situação socioeconómica que vivemos os mesmos têm sido alvo de constantes alterações!

Mais resultados...

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Mais resultados...

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Origens do Pão de Ló

Mais cremoso ou mais seco, mas sempre fofo, é um bolo que remonta pelo menos ao séc. XVIII. Como muitos outros doces portugueses, a sua origem está na pastelaria conventual. Acredita-se que a versão original portuguesa derivou de criações ibéricas da época renascentista, que eram apelidadas de “Pão de Espanha”.

Partindo da recita base do  Pão-de-Ló: há muitas variantes, do norte ao centro do país, famosas em todo o território e cada português tem a sua preferida.  Em Guimarães, a norte do país, destaca-se por conter raspas de limão. Uns 25 quilómetros a sul, chega-se à freguesia de Margaride, em Felgueiras, onde o pão-de-ló se carateriza pela confeção com batedores de madeira e uma ida a um forno de abóbada de barro, em forma de barro também. Perto, a oeste, na cidade de Vizela, encontra-se o Pão-de-Ló mais distinto, o Bolinhol; este destaca-se por ter forma retangular e ser coberto de calda de açúcar.

Mais a sul, no cruzamento entre o Douro e o Tâmega, há uma tradição mais manual no que toca à confeção: os elementos são batidos durante dez minutos com as mãos, seguindo depois para forno de barro. Em Arouca, o Pão-de-Ló serve-se com uma particularidade: para além da calda de açúcar de Vizela, o doce é preparado em fatias e embalado, vendendo-se assim ao público. Com uma textura extra fofa e cremosa, há no litoral o pão-de-ló de Ovar (que conquistou denominação de origem protegida em 2016) conta com um interior húmido.

Já nas imediações de Ílhavo, o pão-de-ló de Vagos não é habitualmente comercializado, apesar de se distinguir dos demais com um travo de laranja e um gostinho de sal. Em Figueiró dos Vinhos, o aspeto do bolo não se fica por menos: é cozinhado numa forma tipo bundt, e adquire um aspeto de anel raiado. Perto de Peniche, em Alfeizerão, o Pão-de-Ló tem direito a álcool, na forma de aguardente vínica; é côncavo ao centro, o seu exterior crocante e é mais baixo do que a generalidade dos pães-de-ló.

Também temos o pão-de-ló de Rio Maior, com um diâmetro de 20 a 25 centímetros e uma cor mais torrada do que a dos demais. O de Alpiarça, nas imediações de Santarém, é o mais mole do país; ao trilhar uma fatia, o creme escorre, vistoso e apetecível.

Com uma receita em comum e  travo a singularidade territorial ao longo do nosso território nacional , o Pão de Ló  reflete história e evolução gastronómica.

Aqui no nosso site pode ver as promoções agradáveis que temos para si nas Caixas de Pão de Ló, entre em contacto connosco para saber mais!